O que um Tênis me Ensinou Sobre o Poder da Ação!

ejaculação precoce

Todo dia era a mesma coisa, eu saía do trabalho mais tarde que o habitual, chegava em casa exausto e sem vontade de fazer nada. Abria uma exceção apenas para assistir uma partida do meu time de futebol, jantar fora com minha esposa ou realizar alguma tarefa com as crianças. Afinal, das obrigações familiares não tem como fugir.

Mas, apesar deste contexto ser semelhante ao de muitas pessoas, eu tinha uma insatisfação. Aliás, quem é que está 100% satisfeito com a vida? Eu não tenho do que reclamar, me sinto muito feliz. Mas eu tenho medo. Também sou de carne e osso. E ultimamente com tanta carga de trabalho, compromissos e estresse eu tenho ficado preocupado com minha saúde.

Não quero morrer com um ataque fulminante! Não quero ficar sedentário por que fui negligente com minha saúde. Não quero esse tipo de preocupação para minha esposa.

Então, algo aconteceu… Eu decidi que o grande dia tinha chegado. Eu precisava dar o primeiro passo. Eu tinha que quebrar esse ciclo. Então, fui até o quarto, peguei um par de meias, peguei meu tênis e o calcei o mais rápido que pude.

Fui correndo pegar a chave do portão, e em passos largos cheguei até uma pracinha que tem aqui perto de casa para correr.

Foi a partir deste momento que tudo ficou claro para mim. Algo de diferente tinha acontecido, mas eu não estava encontrando a resposta. Até que surgiu um estalo… Poof!

A DOR QUE NÓS ANTECIPAMOS

a dor que antecipamos

Apesar de ter uma boa razão para caminhar e praticar exercícios físicos eu sempre deixava para depois. Enquanto existir semana que vem, nós vamos entrar em forma. É assim com todo mundo.

O trabalho, a família e as obrigações exigem constantemente nossa presença. Encontrar 30 minutos do meu dia para realizar uma caminhada, estava parecendo um luxo do qual eu não podia dispor.

Porém, o buraco é mais embaixo…

Eu até poderia ficar sem correr, me deixar levar pelo cansaço e acumular o estresse que só aumentava. Mas até onde isso iria chegar?

Provavelmente alguns anos depois eu receberia um olhar pesado do meu médico, apontando para um papel e dizendo de uma maneira mais ou menos firme: você está com câncer!

Naquela noite que eu decidi calçar o tênis e começar a correr, foi uma forma de me livrar das desculpas que eu estava dando para mim mesmo. Depois que eu estivesse com o tênis nos pés, eu não iria voltar atrás. Já estava pronto para correr mesmo.

Era só dar alguns passos rápidos em círculos por trinta minutos e tudo estaria resolvido.

Esse foi o grande ponto de virada!

Calçar o tênis foi a primeira ação que me colocou no caminho que eu queria ir. Eu estava no controle. Depois disso, poderia acontecer o que fosse, eu já estava pronto para correr. Já estava até me imaginando correndo 5 Km dali a alguns meses, dizendo para mim mesmo: você é o cara!

Então, o que foi que estava me impedindo de agir? O medo da dor!

Eu estava com medo da dor, eu estava com medo de falhar, de desistir no meio do caminho, de não conseguir sustentar o bom hábito de correr 3 vezes por semana, de voltar a vida que eu estava tendo.

Essa dor, me paralisou! Me manteve no mesmo lugar durante meses.

E esse exemplo, pode ser aplicado a ejaculação precoce. Você parou para pensar quantas vezes você sentiu medo de agir, por causa da dor que iria sentir caso você falhasse?

Pois é amigo! Eu também sei disso.

Essa dor, é a dor que eu chamo de imaginária. A dor que nós criamos antes mesmos de realizarmos a primeira ação. E com isso ficamos inertes. Paralisados…

Mas, para superar essa dor é preciso dar o primeiro passo. É necessário agir. Eu calcei o tênis e superei essa dor! E você já se comprometeu a ler o e-Book que eu escrevi?

A DOR FÍSICA: AGORA A M&$%A FICOU SÉRIA

dor física

O mais difícil não é dar o primeiro passo, é continuar caminhando…

Pena que eu só descobri isso no dia seguinte, quando acordei com as pernas todas doloridas. E uma vontade de nunca mais ter que voltar naquela pracinha.

Agora a dor que eu estou tratando é a dor física. A dor real, que nos deixa muito indispostos e com um humor nada agradável.

Agora eu tinha motivos de sobra para não ter mais que correr. Passar o dia todo trabalhando com o corpo dolorido é horrível. Mas, por outro lado eu estava feliz. Consegui realizar algo que tinha prometido para mim mesmo.

Quando eu cheguei em casa depois do trabalho eu coloquei as pernas dentro de um balde com gelo para dar uma aliviada na dor. No dia seguinte, era o grande desafio. Correr pela segunda vez na semana.

Eu sabia que essa dor nas pernas iria me acompanhar por no mínimo uns 15 dias. Então, eu poderia deixar de correr por causa da dor física ou continuar correndo para melhorar meu desempenho, até chegar um ponto em que eu não iria mais sentir dor.

Então eu fui! Ou você acha que eu iria amarelar!

Até por que se eu não fosse correr pela segunda vez, eu não teria uma história decente para contar aqui no blog. E minha reputação, como é que fica?

😉

Eu percebi que continuar correndo, iria me proporcionar uma sensação de progresso. Eu já tinha dado o primeiro passo, era só continuar caminhando. Com isso, gradualmente meu desempenho iria melhorar.

O desconforto faz parte da jornada. A vida é dura e tem seus desafios. Mas, nós precisamos de um bocado de determinação para conseguir superar.

O gostinho da vitória não tem preço!

É isso que me motivou a superar a dor física e poder continuar seguindo em frente!

E você, já começou a praticar os exercícios para desenvolvimento do músculo PC que eu recomendo aqui no Blog? No começo vai ser desconfortável, mas depois você vai pegar o jeito. O importante é persistir!

A DOR EMOCIONAL: NOSSO CALCANHAR DE AQUILES

dor emocional - ejaculação precoce

Agora você deve estar pensando: o Anderson está de brincadeira, ele já falou sobre a dor que nós criamos, a dor física e agora vem com a dor emocional.

É isso mesmo meu caro!

Eu descobri que a pior das dores e a dor emocional. Aquela dor que nós sentimos quando perdemos alguém que amamos, quando magoamos uma pessoa querida, quando um ente próximo falece. A dor emocional muitas vezes é mais forte que a própria dor física.

Nós ficamos sem vontade de fazer nada, tudo parece que está pintado em preto e branco. A vida de repente fica sem graça. E nós somos levados pelo cotidiano como marionetes.

Eu sei que se eu parar de correr, que eu se eu largar tudo que eu consegui até o presente momento, eu vou fazer minha família sofrer no futuro. Eu vou me decepcionar. E tudo isso é o que eu mais quero evitar.

O ponto positivo da dor emocional é que ela é OPCIONAL! Eu posso escolher a vida que eu quero ter, eu estou no controle dos meus próprios atos. Eu sei que a dor emocional só vai surgir se eu desistir. Se eu parar no meio do caminho…

Na minha mesa de trabalho eu tenho uma foto com meus filhos e minha esposa. Quando eu olho esse retrato, eu sei que eu preciso me esforçar em todos os campos para que minha família seja feliz. É essa imagem que me motiva a não desistir. Sempre que eu penso nessa imagem, eu levanto a cabeça e dou o próximo passo.

Para quem está lidando com a Ejaculação Precoce, é difícil continuar disciplinado no tratamento. Mas, eu quero que você tenha a certeza de que não está sozinho nesta caminhada.

Eu vou lhe motivar, eu estou disponível para tirar suas dúvidas e responder seus e-mails. Sempre que você sentir vontade de desistir, venha até o deBEMcomTUDO e veja que você não é o único que está fazendo esta jornada. Eu já passei pelo mesmo problema e hoje estou ajudando outras pessoas.

Eu sei que você não quer decepcionar sua esposa (se você já for casado) e eu sei que você quer ter uma vida plena e feliz. Afinal, todos nós queremos.

Por isso, eu lhe digo: NÃO DESISTA!

Calçar um tênis me ajudou a dar o primeiro passo e você quando vai começar?

6 Comentários

  1. Marcos

    Excelente exemplo de determinação serve para todos nós,quando estamos insatisfeitos com nossa vida pedimos que o dia passe logo para que o tempo apague as nossas falhas,sentimento covarde e egoísta,mas infelizmente é a pura verdade,ser humanos que não vivem vegetam,nao quero fazer parte deste grupo,o seu trabalho,e uma ajuda para muitos que nunca procuraram uma solução por vergonha e machismo,mas uma vês obrigado.

    Responder
    1. Anderson Lumo

      Olá Marcos!

      Quando estamos com um problema nosso comportamento imediato é fugir ou evitar ao máximo falar a respeito. Porém, essa é uma forma de colocar a “poeira embaixo do tapete” e em algum momento essa sujeira toda vai vir a tona. Portanto, é melhor assumir o controle de nossa vida, mesmo com todas as dificuldades, do que evitar os problemas e fingir que nada está acontecendo.
      Um verdadeiro guerreiro enfrenta a batalha de cabeça erguida.

      Abraços,

      Responder
  2. Antonio

    Excelente e profundo artigo. Parabéns Anderson!
    Na verdade a dor emocional é fruto das nossas escolhas diárias, até mesmo daquelas que inconscientemente acreditamos que não “afetará” ninguém mais do que nós mesmos. Ledo engano. Nossas escolhas, por menores que sejam, refletem no nosso interior e em todos e em tudo a nossa volta, principalmente nas pessoas que amamos verdadeiramente.
    Obrigado por este texto, me tocou profundamente.
    Continue com essa linda e especial missão de ajuda ao próximo, essa é uma “escolha” maravilhosa sua.
    Parabéns!!!
    Paz e luz pra você.

    Responder
    1. Anderson Lumo

      Olá Antonio!

      Que bom que você gostou deste artigo. Isso me motiva cada vez mais a continuar nesta jornada.

      Obrigado!

      Responder
  3. Roni

    Muito bom esse artigo. Tem uma frase que diz “a mudança é um processo e não uma aquisição” é mais ou menos q entendi nesse texto. Tambem, pois é muito dificil dar o primeiro passo, mas o pior é continuar no processo por um bom tempo sem ver resultados significativos e mesmo assim persistir, mas acredito que é ai que esta a diferença entre os que conseguem e os que permanece na mesma.

    Responder
    1. Anderson Lumo

      Olá Roni!

      Que bom que gostou do artigo! Você conseguiu entender perfeitamente a mensagem.

      Durante nossa caminhada nós vamos encontrar vários níveis de dificuldades (dores), mas precisamos saber lidar com cada uma delas para alcançarmos nossos sonhos, metas e objetivos.

      Muitas pessoas dizem que fracassaram na vida, mas a verdade é que elas desistiram de continuar seguindo em frente!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *